Testemunhos do Curso de Doulas

Quando eu fiz o meu curso de Doula eu percebi que podemos pertencer a alguém, a um grupo, a uma comunidade, ao universo, sem termos que deixar de ser quem somos, sem perdermos a nossa individualidade. Eu compreendi que posso trazer para a luz as minhas sombras, os meus esqueletos no armário, sem medo de que não gostem de mim, que me ponham de lado, que me rejeitem.
Com a aprendizagem da doulagem, e outros trabalhos interiores, eu finalmente percebi que é seguro existir sem ter de mudar nada, sem ter que tentar ser algo que não sou, sem ter que estar constantemente a adaptar-me para merecer ser amada. E é isto que quero oferecer como Doula.
Márcia
 

Fazer este curso foi simplesmente a melhor coisa que eu podia ter feito por mim mesma nos últimos tempos. Abriu-me as portas para o que há muito procurava, eu mesma. É um curso não só para quem quer ser doula profissionalmente mas também para qualquer mulher que se queira descobrir "um pouco" mais. Com muito Amor Amor Amor

AW 

 

Tu és das mulheres mais fortes que conheço e contigo descobri a minha força. Não há outro curso de doulas que faça isso!

LM

 

A princípio disseram-me que era um curso de doulas mas só depois percebi que era uma cura das minhas dores, uma cura da minha história de nascimento e de vida. Uma gratidão imensa pelo que fazes e me fizeste. <3

R.

 

Quando chego a tua casa, sinto-me em casa, no grande útero que é o teu espaço onde nos recebes sempre com o teu colo e coração abertos

A.

 

Ah, se todas as mulheres se permitissem sentir, abrir, entrar mais fundo... Este teu curso deveria ser dado nas escolas, nos hospitais, nos centros de saúde, só assim as mulheres poderiam despertar, como dizes e o mundo iria mudar!! Gratidão!

R.

Este curso não é só um curso... Não é só aprender a acompanhar mulheres num dos períodos mais importantes das suas vidas, a gravidez, parto e pós-parto... É uma viagem profunda, reveladora e transformadora ao âmago do Ser Mulher.

R.

 

EXCELENTE CURSO!!!! É uma aprendizagem essencial de quem tu és para poderes ajudar outras mulheres a serem quem elas são na verdade! Um trabalho muito sério e importante de descoberta, aprendizagem e empoderamento da Mulher.

Cris

Que maravilhosa e profunda viagem fiz durante o curso a que atendi, levada sempre envolta no seu carinho, segurança e dedicação! Uma partilha como só uma linda, generosa e poderosa Mulher poderia oferecer! Grata Luísa

Ana

 
E é importante dizer-te que este curso está maravilhosamente planeado e concretizado, agora numa perspectiva mais racional. É tão completo, tão rico, permite tanto, dá tanta liberdade e é tão libertador…
 
Sinto que consegues, com este curso, superar desafios dificílimos para um formador. Porque consegues transmitir conteúdos, respeitar o ritmo do grupo, respeitar os ritmos individuais, com os tempos certos.
 
Os tempos que disponibilizas para a matéria e os intervalos entre eles permitem-nos ir assimilando a informação, permite o surgimento de dúvidas, e ainda dás tempo para o esclarecimento dessas dúvidas. E depois consegues articular na perfeição a transmissão da matéria com a possibilidade de trabalho emocional e respeito pelo desenvolvimento interior de cada uma. Mais uma vez, respeitando ritmos, condições, diferenças, eventuais afastamentos,…
 
E conseguiste ainda muito bem articular tudo o que nos transmitiste, todos esses tempos, com a vinda de outras pessoas.
 
Tu tens uma capacidade de comunicação ímpar. Consegues falar no ritmo certo, ilustrar o que dizes da forma mais adequada, sempre com exemplos muito certeiros e cativantes e sempre com toda a inteligência e humor, que se torna a cereja no topo do bolo.
 
Queria dizer-te, a propósito disso, e não estou a exagerar (não precisava de o dizer, se não o sentisse) que não houve nenhuma situação em que me sentisse cansada de te ouvir. Pelo contrário, queria sempre ouvir-te mais e mais.
 
Também a parte da avaliação agora me faz sentido. Estava um pouco relutante, confesso-te, mas agora que o curso acabou, faz-me todo o sentido. Foi um processo tão forte, tão rico, tão profundo, em que ganhámos tanto, que tinha que existir um momento em que se mostrasse um pouco a consolidação de conhecimento, como que uma marca de todo o trabalho, de todo o caminho, um símbolo daquilo que foi trabalhado ao longo de todo este tempo. Como que um símbolo de transição, para outra fase do nosso caminho, individual e de grupo.

Sónia Isabel

 

 Toda a gente devia (!) fazer esta formação, todas as mulheres e homens que querem ter um bebé, todas as que já tiveram e têm amigas que vão ter. Criaste consciência em mim, abriste-me os olhos e acho espantoso a tua capacidade de resumo, de detalhes e factos. És uma enciclopédia viva e uma mulher de coração enorme com uma sensibilidade rara. Nunca vou agradecer o suficiente pelo que me deste.

A.

 
Eu sei que sou suspeita, que te conheço desde os primórdios e acredito convictamente que és a doula portuguesa que mais sabe de parto e sua humanização, além de que és também a pessoa mais competente e habilitada, humanamente falando, para fazer o trabalho que tens feito...

L.

 

Hoje de manhã estive a ler um bocado da primeira parte do manual e estou a adorar :) Acho que está super bonito. Está lindo, mesmo :) Vou lendo e vou tendo ideias, pesquisando coisas novas, encontrando em mim emoções e lembrando-me de vocês todas. É uma leitura agradável e emocionante, que enche o meu espírito de amor e alegria. Juro que não estou a exagerar, deixa-me mesmo feliz ler este manual. Grata, minha linda Luisa

Carolina

 

És uma mulher maravilhosa, uma mulher que me ensinou a mim a ser mulher e a iniciar o processo de procura e aceitação de mim mesma... algo que nunca terei palavras suficientes para agradecer.
 
Doulas ou não... marcaste a vida de muitas de nós, marcaste a vida de muitos bebés, de muitas familias e só por isso tudo isto já teria valido a pena.

R.

 

Mas nunca esquecerei o quanto a formação para doula foi transformador e curador para mim. E isso devo-o sobretudo a ti (...). Para mim foram as presenças mais marcantes, não querendo no entanto deixar de fora (...) todas as mulheres que comigo fizeram a formação. Todas tiveram o seu papel e a todas recordo com carinho. Mas tu e a Carla marcaram-me profundamente pelas palavras e acções. O que me ensinaram e ajudaram a descobrir foi precioso.
 A.
 

Gostei do profundo respeito, abertura e aceitação presentes e gostei de ser confrontada com os meus medos, interrogações e vivências.

M.

 

O que mais gostei foi de que a formação não é apenas uma passagem de informação, mas uma transformação interna pessoal. Senti que a doula, mais do que ajudar a outra mulher, é alguém activo que procura e transmite conhecimento, esclarece dúvidas e sinto que isto pode fazer toda a diferença em futuros partos.

Anónimo

 

Gostei muito de toda a emotividade da formação, o ambiente informal. Senti-me confortável e acolhida e tive todas as minhas perguntas esclarecidas nestes dois dias de workshop. Obrigada Luísa

P.

 

O que mais gostei é que tens sempre uma resposta, com datas históricas e pequenas curiosidades, nem sei como te lembras até das páginas dos livros. Este encontro foi rico em tudo e quero muito fazer a próxima formação de doulas contigo.

A.

 Quando me falaram em fazer o teu workshop fiquei de pé atrás, que mais iria eu precisar de aprender? Depois percebi que andei anos a aprender disparates, a perder tempo quando só precisava de olhar para as mamãs e bebés com simplicidade e perceber que as doulas são anjos e eu também queria ser uma. O próximo curso, conta comigo.

P. (Enfermeira)

 

 

(sobre o workshop com o terapeuta/doula Jason Baker no Curso de doulas)

Já passou o tempo da gestação por dois dos nossos úteros...

Foi uma longa, longa viagem a minha, para que apenas agora tenham nascido as palavras com que vos tentarei transmitir a experiencia de um completo renascimento... mas essas, também são apenas uma materialização, porque todas sentimos...

E agora penso... não pode ser por acaso que depois de festejar a carne venha agora o tempo do ressuscitar/ressurgimento também!!!

Agradeço à vida ter-vos a todas, a cada uma, cada ser, que é passagem/paragem/mundo na minha caminhada.

Vou tentar isolar a experiencia orientada pelo terapeuta, o homem que se diz homem doula, que nos conduziu num corredor de tempo e espaço, ao longo do qual a consciência foi mudando de estado.

Parece incrível, mas há medida que escrevo e torno cognoscível esta experiencia, funciono em distintos planos/estados da minha Humanidade... (e é mesmo bom partilhar/comunicar)...

“Que tonta!!!!.... confia no conhecimento que existiu, que existe para todas desse momento. A tua versão é apenas mais uma peça!”

O inicio existe em mim como impressão física. Coloco-me dentro do útero;

CALOR; NÃO FORMA; IMPULSO_ que traduzo na mais vívida ambiguidade... de querer expandir-me e ser maior... e de querer desintegrar-me ao mesmo tempo.

A experiencia mais parecida... o tempo em vivo como orgasmo...

Lembro-me na carta que escrevi à CCCCCC ... e situo nesse momento, nessa sensação, uma das minhas motivações... o fascínio pelo ciclo da vida e da morte...

Nesse momento a minha fantasia diz-me... “ali viveste como o sexo entre a vida e a morte”.

Ali fui... vida completa... que nasce e morre...

Consigo ver-me transparente e situar um ponto, no sítio que sei ser o centro de mim. É aí, nesse ponto, que se concentra tudo o que sou... tudo. Naquele tempo... o espaço que ocupo é também o espaço do Mundo... de tudo o que o Universo é.

Foi desse ponto que surgi como aquelas ondas que Irvin Yalom denomina como rippling (ondas que se propagam da mesma forma como se propagam quando atiramos uma pedra para a água parada), em ciclos que foram alternado entre um magnetismo brutal que me puxava para dentro e me fazia esse ponto de tudo, e uma força de intensidade de tudo que me projectava num fluxo de energia me expandia...

Mas neste ciclo... tudo era eu... mesmo as paredes densas que me prendiam....

Ui... a Páscoa passou...

E sobre o anúncio de um Verão intensamente quente, sei que ali eu fui morte no meu nascimento.

Nunca tive uma vontade de destruir e rasgar... aniquilar tão forte e assumida... estava a lutar para viver.

Abrir o meu caminho, e estar aqui!

Ar... A cabeça de fora!

Respiro...

Guardo a dor estranha no peito...

Cheia de força... entreguei-me à exaustão de dirigir todas as forças...

Que parecem ter saído em voz, lágrimas e convulsões.

Agradeço aos braços seguros e enormes que me acolheram... que me deram paz progressiva... alegria e força.

Choro... a beleza do momento não existe em palavras... mostra-se em água no meu rosto...

Ao peito e ao cheiro do ser que me acolheram!

Agradeço e celebro a força de todas as mulheres... uma força cheia de tudo o que cada uma colocou naquela tarefa... de útero, medo, esperança, perseverança, tristeza, amor.

A visão!... ui... essa transformou-se.

Não tenho recordações visuais da experiencia. O que faz todo o sentido.

A visão... só a tenho agora.

 

Vejo:

 

Vejo a formação como um espaço, de renascimento na minha vida interior... adubo no jardim em que cresço.

As transformações foram muitas, a muitos níveis.

Fui fogo, terra, muita água (quase um dilúvio) e hoje manifesto-me em ar... para voltar a ser terra.

A par do meu caminho, na mochila que trouxe de Doulas@Zion veio carregada de ferramentas fundamentais na minha evolução... como mulher... como ser humano!

Para não transformar esta comunicação num manifesto, agradeço a todas e todos, entre tudo o que é sabido...

Ter sido tão genuinamente acolhida e acarinhada na minha individualidade, sendo alcateia.

A partilha de cada uma...

A compaixão que “nasci” por não ser mãe ainda.

O amor por cada mulher, e orientações recebidas para sê-lo cada vez mais plenamente, e mais uma possibilidade de desenvolver e escolher o contributo que quero dar como mulher a este mundo, em tempos de tão profunda e rápida mudança.

A escolha de ser mãe livremente, pelo conhecimento das possibilidades de escolha nessa vivência tão física, energética, emocional, mental e espiritual... obrigada pela ajuda no caminho do saber/ ser alquímico.

 

Amo-vos a todas.

Abraço os novos seres, filhos das minhas irmãs.

Beijo para as bebés doulas.

Respeito e carinho para os homens que partilharam este matriarcado.

 

R.