Doula na gravidez, parto e pós-parto

 

 

 O papel da doula, o que faz e o que não faz [1]

A doula é alguém que conhece e compreende a fisiologia do parto, e que respeita e tenta assegurar as necessidades básicas de uma mulher em trabalho de parto.

 

O que faz a doula:

 

  • Durante a gravidez

Acompanha a grávida durante a gestação através de apoio emocional, esclarecimento de dúvidas, procura de informação, ajuda a planear e desmistificar o trabalho de parto e puerpério (pós-parto).

 

  • Durante o Trabalho de Parto

No trabalho de parto, a doula está ao lado da mãe, criando uma esfera de protecção e confiança, que facilita a progressão do trabalho de parto. A doula poderá propor medidas de conforto como duche ou banho, massagens, relaxamento, respiração profunda. A doula apoia também o pai e mostra como ele poderá ser útil.

Quando no hospital, a doula é a única profissional que garante assistência personalizada e contínua à parturiente, funcionando também como um elo de ligação entre a equipa de atendimento e o casal. Ela explica os termos médicos e os procedimentos hospitalares visando sempre proteger a experiência emocional do parto para o casal.

 

  • No Pós-Parto ou Puerpério

A doula também presta serviços no pós-parto, nomeadamente no que respeita aos cuidados a ter com o recém-nascido, ajuda na amamentação, adaptação da família a um novo elemento.

 

O que a doula não faz:

A doula não faz qualquer procedimento médico, e portanto, não substitui qualquer dos profissionais tradicionalmente envolvidos na assistência ao parto.

 

Que benefícios traz uma doula ?

Para a mãe e para o casal

A presença da doula produz um clima de intimidade, carinho, afecto e, acima de tudo, segurança.

As mães relatam uma experiência de parto mais satisfatória e gratificante, sentem-se mais fortalecidas, apresentam níveis mais baixos de ansiedade, níveis mais elevados de atenção e receptividade para com o seu bebé - o que favorece o vínculo precoce entre ambos.

O risco de depressão pós-parto é diminuído.

No que concerne à equipa médica, contribui também para a diminuição da sua ansiedade, da pressa, dos receios, e de todas as intervenções médicas daí decorrentes.

Para o bebé

Para o bebé, os benefícios também são evidentes; o risco de complicações e de internamento prolongado é diminuído, favorece-se o sucesso da amamentação e o reforço do vínculo mãe (pais) / bebé.

  • Para a equipa hospitalar (médicos e enfermeiros)

A presença da doula também traz benefícios para a equipa médica, na medida em que, ajuda a grávida a perceber qual a melhor altura para se dirigir ao hospital/maternidade, evitando que essa deslocação se realize demasiado cedo (processo que pode desencadear a triologia stress/tensão/medo). A entrada no trabalho de parto franco (activo) e a chegada ao ponto de não retorno (a partir da meia dilatação), asseguram e firmam a confiança da parturiente e da equipa médica. Optar por ter uma doula é, muito provavelmente, a decisão mais importante que uma mulher pode tomar, durante a gravidez, para tentar viver um parto humanizado.



[1] Agradeço este texto à querida doula Sónia Sousa